Conseguimos desviar balas treinando duro?

Matrix_RooftopShowdown

Olá pessoal, recentemente fui abordado por uma questão de um aluno mais novo de treino: é possível desviar balas com o Kung Fu? Em nosso dia a dia profissional e pessoal poderíamos encarar a pergunta assim: é possível desviar de problemas espinhosos?

Para quem não sabe, Kung Fu, apesar de usado para denominar de forma ampla uma gama de artes marciais chinesas, tem na origem das palavras o significado de ‘trabalhar duro’, ‘melhorar pelo treino’ e ‘busca da maestria’, ou seja, é buscar se transformar em alguém melhor a cada dia.

Após analisar o tema, tive a grande felicidade de ter meu publicado no Blog daTSKF Academia de Kung Fu. Segue o link para o post no blog da TSKF: É possível desviar de balas com o Kung Fu?

Sugiro a leitura considerando a bala como um grande problema inesperado ou um grande desafio a ser vencido.

E então, vamos aprender a desviar de balas?

Herick Morais

Anúncios

Sobre como melhorar a produtividade

Existem vários livros e abordagens sobre como melhorar a produtividade, para ser direto concentrarei em três temas: leitura, métodos, hábitos e técnicas.

Conciliar metas e atividades

Um dos primeiros materiais que li sobre o assunto foi o livro 7 hábitos de pessoas altamente eficazes (Stephen Covey), e apresenta, como o próprio nome sugere, sete etapas para aumentar a eficácia baseado em vários estudos do autor sobre publicações relacionadas ao sucesso. Recomendo a leitura como um introdutório, para quem leu previamente sobre como fazer amigos e influenciar pessoas verá que, após conquistar a independência ao saber definir metas e realizar o mais importante, parte do conteúdo é bastante familiar, afinal ser eficaz envolve também mobilizar equipes para alcançar resultados comuns.

Sabemos o quanto é difícil alcançar metas de longo prazo e manter o foco nestas metas. Em um post futuro, falarei sobre um método eficiente para definição de metas de longo prazo e desdobramento destas metas em médio e curto prazos.

Um dos principais problemas da atualidade está ligado ao recurso mais escasso do mundo e com o qual a maioria das pessoas enfrenta problemas em lidar: o tempo. Deste recurso precioso recebemos créditos sem pedir e sem saber o total, mas do qual a todo momento é feito um saque sem que possamos impedir. Ser eficaz envolve dominar a arte de gerir o tempo e as duas últimas dicas de hoje estão relacionadas a ele.

Liberar mais tempo é um divisor de águas em seu dia e a primeira é sobre como aumentar nosso tempo disponível. O segredo para conseguir mais tempo para o dia é se tornar um madrugador, ou early riser. A primeira vez que li a respeito foi em uma newsletter sobre Criação de Riqueza da Empiricus Brasil, escrita por Mark Ford. São doze passos simples mas transformadores e de uma praticidade incrível. Resumidamente: crie um ambiente propício a dormir mais cedo, coloque o relógio para despertar um minutos mais cedo todo dia e nem sentirá a diferença em horas, não use o botão de soneca – acorde de uma vez, exercite-se. Não vou entrar em detalhes porque o conteúdo completo está disponível no link acima.

É importante saber que, se quer alcançar algo, seja o primeiro a chegar e o último a sair. E é aqui que entra o hábito do madrugador, levantar cedo libera mais tempo no seu dia para realizar. Recentemente li a seguinte citação: Se quiser alcançar o sucesso, saiba que vai ter que se esforçar mais e trabalhar mais que os outros que tentaram e falharam; infelizmente não anotei o autor.

Por último, adicionarei uma técnica recentemente descoberta, relacionada com tarefas que demandam tempo superior à uma hora (ou seja, aquelas que tomam grande parte de nosso tempo em um planejamento diário): a técnica do Pomodoro. Consiste em dividir o trabalho em tiros de 25 minutos, desenvolvida por Francesco Cirillo. Recomendo fortemente!

1 – Prepare seu ambiente para que contenha tudo o que precisa para realizar a tarefa;

2 – Tire todas as distrações de perto de você. Isso significa ficar apenas com o necessário para o andamento da tarefa. Desligue o celular ou a internet se não for usar. Avise seus colegas sobre o processo;

3 – Com um cronometro qualquer (a grande dica de um colega foi o site www.persevy.com ) coloque 25min e ligue;

4 – Com sua capacidade focada realize a tarefa até que o cronometro apite;

5 – O MAIS IMPORTANTE: Ao terminar o tempo faça algo que te traga felicidade por 10-15min. Sei lá, vá conversar com alguém, jogue um jogo, coma um chocolate. Qualquer coisa que inunde seu cérebro com hormônios de realização;

6 – Repita o processo.

Para a etapa 4, de realizar, sugiro utilizar o site Noisli (www.noisli.com). Foi uma surpresa descobrir o quanto o vento e trovadas são agentes de concentração. Coloque seu fone de ouvido e boa concentração!!!

Grande abraço! Experimentem as dicas e digam como ajudou.

Herick Morais

Sobre algumas formas de aprendizado

Wow, o tempo passa muito rapidamente e se não mantivermos o foco no objetivo a vida passa num piscar de olhos e quando nos damos conta, nem lembramos mais qual era mesmo o objetivo.

Conhecimento gera evolução
Conhecimento gera evolução

Para evoluirmos em busca de nossas metas, precisamos estudar. Sempre. Se enquanto estava na escola seu objetivo era formar o quanto antes porque não aguentava mais estudar, temos más notícias: nunca devemos parar de aprender.

Nós somos máquinas altamente especializadas em adaptação e evolução, mas para alcançar o máximo do nosso potencial humano, precisamos estar sempre mantendo esta máquina viva, procurando por pontos de melhoria e incrementando peças, partes e funcionalidades.

Seja profissionalmente, na culinária, culturalmente, nos esportes, games, saúde ou em que ramo for que se busque melhorar, a leitura é essencial. Através dela aprendemos com experiências pregressas, não somente com as nossas. Isto é ganhar tempo na evolução. Devemos aprender com os erros, mas não vamos esperar cometer todos, podemos aprender com os erros que outros cometeram ao longo da história.  É desta forma que vamos dando combustível para que nossa máquina vá cada vez mais longe.

Os Livros (isto mesmo, em maíuscula rs) nos proporcionam viagens, emoções, saber, evolução. Faça dele um aliado, encontre um tema que você realmente gosta e aprofunde seus conhecimentos. Reveja o post anterior sobre a profundidade do conhecimento.

Tão importante quanto ler, é por em prática. Conectar as informações. E ao por em prática o aprendizado, saímos da teoria, vamos para o campo e as coisas acontecem de forma diferente do planejado. Aprendemos a lidar com desvios de rota, e ganhamos ainda mais experiência na trilha para nosso objetivo.

Em uma aula de Kung Fu na semana passada, pude refletir um pouco mais sobre algumas maneiras que escolhemos para lapidar e polir nossa condição de aprendizado constante. Foi uma aula na qual não vi nenhum movimento novo, o que às vezes é um pouco frustrante. Fiz o melhor, dei o melhor, me esforcei para fazer as melhores formas e posturas para avançar no aprendizado, mas ainda assim nada novo.

Então comecei a refletir sobre os ensinamentos anteriores da TSKF e notei o quão distorcido estava meu ponto de vista. Esta aula foi muito importante pois não aprendi o que queria, mas aprendi o que precisava! Nela aprendi muito, corrigi vários problemas de posturas anteriores e pratiquei formas que há muito estavam adormecidas, enfim exercitei partes da máquina que estavam começando a ficar enferrujadas e poli outras.

E mais, por ter dado o melhor, tenho certeza que o resultado foi a melhor forma que poderia sair, não havia porque estar cabisbaixo, apenas mais motivado para fazer ainda melhor na próxima aula e continuar fazendo novos progressos no Kung Fu!

É isto aí pessoal, hoje quis comentar sobre duas formas de aprendizado: leitura e prática. Vale para qualquer assunto, do Kung Fu à Física 🙂

Abraços!

Herick Morais

Sobre um grande mal: superficialidade

Como uma continuidade ao post da semana anterior, vamos abordar um tema espinhoso e que é um grande mal da atualidade: a superficialidade do conhecimento.

Águas rasasAtualmente temos muita informação disponível, de todas as fontes, com extrema facilidade de pesquisa e em vários formatos, mídias, sabores (sabores?) e confiança. Quando estamos interessados em um tema, uma pesquisa no Google e temos uma infinidade de links para abrir e ler sobre o que queremos.

Há até uma brincadeira com isto: se você quer algo bem escondido, deixe-o na segunda página do Google, ninguém nunca vai lá 🙂

Mas o tema é sério. Se quer realmente alcançar algo, precisa estudar e ir fundo no que deseja. Não basta ler os dois primeiros parágrafos do texto, ou o resumo do livro ou dois vídeos no Youtube sobre o tema, é preciso estudar, estudar, estudar.

O Mestre Gabriel, fundador da TSKF, tem um ditado importante e sempre repetido pelo Shifu Danilo: se você gosta de ler, leia; se não gosta, leia também. É só através do estudo profundo e sobre fontes distintas que saberemos avaliar um assunto por diversos ângulos e teremos informação suficiente para nos posicionarmos com segurança e não apenas com achismos.

Certa vez encontrei com um antigo professor em uma viagem. Sua filha que havia nascido à época em que fui seu aluno, estava já com quinze anos e adorava participar do clube de debate da escola. Ela deu uma lição em nós dois: ela sempre defendia o lado que ela não concordava do assunto. Ela disse que assim tinha a possibilidade de: entender os argumentos contrários à sua crença base; estar melhor preparada e com mais informações do que somente estudar para confirmar o que achava; mais ângulos de visão, melhor argumentação; no meio do caminho corria o risco de mudar de ideia ou perceber que o mundo não é tão preto e branco quanto as pessoas tentam parecer (isto também será tema de outro post).

Já sabemos que devemos fazer o melhor no caminho de nosso objetivo. Mantendo o foco, devemos aprender tudo relacionado a ele ao longo do caminho. Não apenas o necessário para o próximo passo ou para ‘entender’ em 10 minutos de leitura, mas de fato estar preparado para. conhecer o tema e pode discutir com prazer sobre ele para amigos e familiares. Atenção, não é ser chato com as pessoas próximas à nós, mas sentir-se seguro sobre o assunto e confortável para abordá-lo quando e como for necessário.

Se queremos montar um negócio, ler e entender sobre empreendedorismo e todos os aspectos deste negócio é fundamental, inclusive para evitar perder uma grande soma de tempo e dinheiro. Isto vale também para aquela dieta milagrosa que promete resolver seus problemas sem nenhum esforço. Não há almoço grátis, assim como não há jeito fácil de resolver problemas, muito menos brincando de fazer dieta.

Se queremos melhorar financeiramente, ler blogs, artigos e sites financeiros ajudam a aprender cada vez mais a controlar as finanças e dar o próximo passo: aumentar a poupança e investimento. Não adianta gastar 1 hora estudando opções e achar que pode virar um trader de sucesso do dia pra noite.

Não adianta iniciarmos no trabalho hoje achando que temos potencial para ser chefe desse patota toda, mas não haverá avanço sem dedicar e aprender cada aspecto do negócio e, principalmente, como fazer a empresa ganhar mais dinheiro e lucrar mais. Pode-se ter bagagem teórica, mas é necessário um bom caminho prático para se avançar degraus (mais sobre avanço profissional em post futuro).

Precisamos estudar também a parte chata. Cada um tem aquilo que considera chato. Tenho amigos que adoram livros técnicos, mas não suportam romances e vice versa. Há que se ter um equilíbrio. O Shifu Danilo avisa: livros de romance ou ficção ajudam, mas tenha certeza de estar com sua leitura de trabalho em dia, antes de ler algo mais leve, fora do seu foco (Di Zi Gui: O Livro Negro das Artes Marciais).

É isto aí meus amigos, vamos dar mais um passo em nossa trilha e mergulhar de cabeça nos assuntos que precisamos dominar para alcançar nosso objetivo.

Grande abraço e até a próxima!

Herick Morais

Sobre como fazer amigos ao longo do caminho

Hoje vamos conversar sobre um tema muito importante para se alcançar objetivos: relacionamento interpessoal. Desde os tempos antigos, quando os seres humanos começaram a criar os primeiros assentamentos ou mesmo enquanto nômades, a atuação em grupo apresenta papel fundamental nos resultados e na evolução da sociedade.

Para ajudar no tema, abordaremos um livro que suscita muita controvérsia ao mesmo tempo em que é um grande sucesso de vendas: Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, de Dale Carnagie (http://goo.gl/EWHSZE link para a edição Brasileira do livro, publicado pela Companhia Editora Nacional). O livro, escrito em 1936, foca na arte de se relacionar com pessoas.

Como fazer amigos e influenciar pessoas
Capa de Como fazer amigos e influenciar pessoas

São mais de 50 milhões de cópias vendidas, segundo sua editora, não há dúvidas de que o livro é best seller. Mas também há muitas críticas sobre o método e pessoas que focam no título e criticam sem nem ter lido a obra. Já ouvi baboseiras do tipo: ‘ele te ensina a enganar as pessoas para que gostem de você’. Coisas deste tipo vão totalmente contra a ideia central do livro: se interessar verdadeiramente pelas pessoas com quem lida diariamente, seja honesto e sincero.

São raríssimas as situações em que é possível alcançar um objetivo unicamente com atuação, esforço e dedicação apenas individual. Precisamos lidar e contar com a ajuda de outras pessoas na trilha para o sucesso e nada melhor que saber lidar com pessoas para estar preparado e alcançar o melhor resultado com todos se sentindo bem pelo caminho.

Escrever este o texto desta semana me fez relembrar algumas lições do livro, que haviam adormecido, e podem contribuir diretamente com alguns objetivos presentes.

O livro está dividido em divido em quatro partes, que podemos tratar também como quatro estágios da criação de vínculo pessoal até o alcance de melhorias na relação e contribuição para alcance de objetivos. São elas: 1) Técnicas fundamentais para lidar com pessoas; 2) Seis maneiras de fazer as pessoas gostarem de você; 3) Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo; 4) Seja um líder: como mudar as pessoas sem ofendê-las nem deixá-las ressentidas.

A primeira parte trata do básico de relações interpessoais: se você precisa de pessoas para alcançar o que busca, então é melhor tê-las ao seu lado e não contra você. Elogie sinceramente, desperte interesse. Tão básico e simples quanto isto, é a aplicação prática da lição.

Na segunda parte, temos um aprofundamento sobre como ter as pessoas gostando de se relacionar com você: se interessando por elas verdadeiramente, sendo sincero, seja um bom ouvinte e saiba colocar o tema sobre o ponto de vista da outra pessoa, não somente o seu.

Na terceira parte vamos mais a fundo sobre como conquistar as pessoas a pensar sobre seu ponto de vista: admita erros rapidamente, saiba que discussões (apaixonadas) não levam a resultados produtivos*, entenda verdadeiramente o ponto de vista alheio, mostre respeito com os outros e use perguntas que direcionam a respostas, não perguntas extremamente abertas.

*Gosto deste ponto e vou dar um exemplo prático explicado por este e outros livros sobre o assunto que li: em uma discussão sobre se você está certo ou a outra pessoa está certa de qualquer maneira você já perdeu sobre o ponto de vista de relacionamento interpessoal. Se a outra pessoa estiver certa e você errado, ela pensará que você não merece tanta confiança. Se você estiver certo e ela errada, ela ficará ressentida por ter sido exposta. A melhor forma é evitar paixões em posição e focar em resultados construídos conjuntamente.

Na quarta e última parte vamos à cereja do bolo: como ser um líder efetivo, sugerindo melhorias que você acredita, sem ofender e assegurando entendimento e melhoras práticas.

É isso aí pessoal, recomendo fortemente a leitura do livro como forma de conhecer mais um prisma da jornada para nosso objetivo.

Grande abraço e até a próxima!!!

Herick Morais

Sobre fazer o bem

Nesta semana tive a oportunidade de conversar com vários amigos e colegas sobre o blog e seu objetivo. O ponto central do blog é discutir e apresentar ideias sobre como alcançar objetivos, mas não de qualquer forma e sim da única forma que garante resultados duradouros: fazendo o bem, o correto, o direito.

Sabemos que este quase nunca é o caminho mais fácil ou o primeiro que se apresenta, mas é sempre que dá mais prazer e o que proporciona resultados sólidos e constrói laços firmes ao longo do caminho.

Fazer o bem faz bem pra você
Fazer o bem faz bem pra você!

Desde a infância, vários são as mensagens nos desenhos que assistimos com a intenção de nos fazer entender, desde novos, o quão importante é fazer o bem. Os vilões dos desenhos em quadrinho ou animado sempre se davam mal, muitas vezes como resultado da maldade, ira, desconfiança, inveja ou outro sentimento que despertavam em seus pares. Os anti-heróis existem e também nos apaixonamos por eles (quem aqui não gosta de Wolverine ou Jack Bauer?), mas mesmo eles trazem a importância de ser coerentes em suas atitudades com suas crenças (abordaremos este ponto em outro post).

Ao Ler Robert Kiyosaki, autor da série Pai Rico Pai Pobre (recomendamos fortemente seu conteúdo para quem quer começar a estruturar a vida financeira), uma de suas mensagens finais é sobre a importância de se fazer o bem. Há algo no universo, não importa nossa crença se é em Deus, Alá, Maomé, Buda etc., uma energia que se alimenta de boas ações e a canaliza de volta para seus praticantes. Não sabemos explicar o que é, mas o bem, o justo, o certo, quando feito de coração, contribui para o universo. E invariavelmente o universo contribui para quem faz o bem!

Essa era também uma das principais mensagens de Jesus, Confúcio e vários outros religiosos, filósofos e líderes importantes ao longo dos tempos.

Em uma das artes marciais mais antigas o Kung Fu, o ensinamento desta forma de viver é realizado através do convívio diário com o Mestre, Shifu, instrutores e colegas de treino. Há uma série de regras de convivência, e boa parte estão relacionadas com a boa ação para com seu próximo, seus impactos no caráter e na disciplina do aluno.

A teoria do caos apresenta uma teoria conhecida como o efeito borboleta: o bater de asas de uma borboleta pode causar uma cadeia de eventos que eventualmente leva a um furacão do outro lado do mundo. Gostamos de pensar nesta teoria sob outro aspecto: uma boa ação na sua vizinhança, pode disparar uma cadeia de eventos tal que previne um assassinato por roubo ou que uma criança morra de fome em outro canto do mundo.

Da mesma forma, uma boa ação ou agir com convicção que estamos fazendo o melhor em nosso dia a dia, seja no trabalho, em casa ou na escola, ajuda a produzir uma série de eventos positivos que acabam voltando pra gente. Devemos ter este tipo de atitude sem nos preocupar especificamente com se teremos retribuição por nossas ações. Vamos focar em fazer o bem, que o bem iremos testemunhar 🙂

Além de fazer o bem com nossos colegas, pares ou superiores, é igualmente importante fazer o bem a quem, temporariamente por qualquer que seja a razão, não tem tantas condições quanto nós temos. Este é um ponto delicado e muito importante: não devemos esperar estar em posição superior ou ter atingido a maior parte de nossos objetivos para começar a fazer o bem para todos, devemos praticar estas ações em nosso caminho, não importando quem nele apareça.

Este é um assunto longo, e certamente voltaremos nele outras vezes.

E lembre-se: fazer o bem faz bem pra você e pra humanidade!!!

Abraço e até a próxima!!

Herick Morais

O que as pessoas desejam alcançar – o começo

Uma rápida pesquisa no Google nos mostra que várias são as buscas realizadas procurando atingir determinado objetivo:

O que queremos alcançar
O que queremos alcançar

Alunos buscando formas de alcançar notas altas, pessoas precisando de ajuda e graça, profissionais buscando o sucesso, realização de metas.

Voltamos duas importantes frase em Alice no País das Maravilhas (Lewis Carroll), quando ela perguntou o Gato sobre qual caminho seguir em uma encruzilhada, mas não sabia onde queria chegar: ‘Se você não sabe aonde vai, qualquer caminho serve‘. Outra tão relevante ao nosso tema: ‘Nenhum peixe iria e nenhum lugar sem um propósito‘.

Para chegar a seu objetivo, o primeiro passo é definir qual é este objetivo. Estamos sempre correndo atrás de algo, almejando o futuro, desenhando e moldando o conforme decidimos nossos passos diários.

Para se definir qual estrada seguir, qual o próximo passo, o que vai nos levar mais próximo de nosso alvo, o ponto de partida é definir este alvo. Pode ser de curto, médio e longo prazos, mas o mais importante é ter em mente onde se quer chegar. Desta forma fica mais fácil tomar decisões sobre prioridades quando estas se apresentam, é mais natural planejar o dia e mais confortável verificar se, ao final da semana, caminhamos em direção ao resultado que esperamos.

Afinal, a vida nos apresenta a inconstância e imprevisibilidade de fatos, como apresentado por Nassim Taleb em seu aclamado livro The Black Swan (falaremos sobre isso em outro post). Se conseguirmos visualizar nosso objetivo, conseguiremos avaliar se estamos mais próximos ou mais distantes, sem nos ater a contratempos, ou melhor passando por cima de problemas, aprendendo com eles e transformando obstáculos em degraus da escada de aperfeiçoamento.

Portanto, se você está buscando uma nota alta, um carro, uma casa, uma família, harmonia, graça dos Céus, reatar uma velha amizade, sucesso na profissão ou pedir desculpas por erros; o primeiro passo é definir o que você quer. Sabendo o que se quer, fica muito mais fácil saber o que fazer a partir deste desejo.

E você, o que deseja alcançar?

Abraços e até a próxima!!

Herick Morais